As 12 Melhores Coleções  Da Alta Costura Outono-Inverno 2013/2014
As 12 Melhores Coleções Da Alta Costura Outono-Inverno 2013/2014

No mundo da moda, a alta costura, a melhor expressão da moda, chega uma temporada mais disposta a mostrar que suas criações são capazes de se elevar a categoria de verdadeiras obras de arte. Alguns desenhos além de reunirem uma série de requisitos, inclusive ser feito totalmente sobre medida com os melhores materiais e feitos a mão pelos melhores alfaiates, costureiras, bordadeiras e outros artesãos (ou artistas) mais qualificados do mundo, com pelos menos centenas de horas de trabalho árduo. Anos de tradição e experiência que nos oferecem uma confecção requintada, mostrando as tendências da temporada, como as estratégicas transparências vista em Valentino e Dior, ou nos cortes que expõem totalmente a pele propostos por Atelier Versace ou a Maison Martin Margiela, assim como a indiscutível influência asiática vista em Chanel, Valentino, Viktor & Rolf e Jean Paul Gaultier, entre outros.

1.Alexandre Vauthier. Fiel ao seu estilo, o estilista apresentou uma mistura de coleção de Balmain de Christophe Decarnin e Anthony Vaccarello. Bustiers drapeados marcam as sensuais silhuetas apresentadas. Uma mulher sensual que brinca com cortes únicos e decotes perfeitos, sem cair na vulgaridade. Vestidos assimétricos ultra curtos, minissaias drapeadas com jaquetas esportivas materializadas em crocodilo ou veludo preto, elaborados bustiers e sofisticados tecidos de couro apontam o toque vanguardista da coleção. Cortes ajustados, assimetrias e aberturas laterais provocantes marcam as sensuais e femininas propostas desta coleção.

ALEXANDRE VAUTHIER

ALEXANDRE VAUTHIER

ALEXANDRE VAUTHIER

ALEXANDRE VAUTHIER

2. Alexis Mabille. Uma coleção dramática que mostra um conto de fadas para homenagear os pintores impressionistas e que optando por suaves combinações de cores, nada estridente, foca a atenção em volumosas construções de cetim e renda. Uma requintada criação, cheia de detalhes como babados, laços, plumas de avestruz e aplicações de pedrarias, que foram acompanhados por engenhosos e sofisticados cocares.

ALEXIS MABILLE

ALEXIS MABILLE

ALEXIS MABILLE

ALEXIS MABILLE

3. Armani Prive. Tecidos fluídos, cores pastel, peles, plumas, lantejoulas, cristais de Swarovski e efeitos perolados resumem os materiais com que se constroem os sonhos em forma de Alta Costura por Giorgio Armani. Esculpidos e sutis desenhos que focam a atenção em seus sensuais decotes e distingue-se pela luz indescritível transmitida. Nova reinterpretação do look andrógino do designer através de jaquetas leves e calças para as propostas mais sóbrias, enquanto os vestidos mais sofisticados vem com muita renda incrustados por uma infinidade de pedrarias. Seguindo a trilha deixa pelas roupas do figurino desenhada por Prada para o recente remake de O grande Gatsby, Armani deixa sentir uma clara influência “melindrosa”. Uma paleta de sedas pálidas, peles, tules e rendas, que deixa modelos inspirados na “art deco” como máxima expressão de feminilidade e elegância.

ARMANI PRIVE

ARMANI PRIVE

ARMANI PRIVE

ARMANI PRIVE

4. Chanel. Em um espetáculo tão dramático como suas propostas de alta costura, Chanel reinventa novamente seu icônico tweed em forma de capa, minissaias e jaquetas recortadas. Uma nova silhueta se deixa sentir na lendária maison que marca praticamente todas as suas propostas com cintos largos. Karl Lagerfeld sugere as sobreposições com saias longas de uma linha acompanhada por saias mais curtas, com botas XXL. As criações em sua maioria pretas e cinza, repletas de lantejoulas, bordados e trabalhos de mosaico, mostram uma nova reinterpretação da visão de Coco; que Karl dá um toque um tanto quanto futurista graças aos tecidos metálicos e aos brilhantes detalhes de prata que decoram toda a coleção. Como nota a se destacar os sofisticados topetes que acompanharam as propostas apresentadas.

CHANEL

CHANEL

CHANEL

CHANEL

5. Christian Dior. Com a tradição da alta costura na América, Asia, Europa e África como uma influência chave, a coleção de Dior passou de estampas japonesas Shibori aos africanos Masai. Fluidez e drapeados, mais romance transcendental como novidade, que deixou espaço ao traje clássico Bar, objeto de nova reinterpretação por Raf Simons. Uma interpretação étnica e conceitual do legado da “maison” que aposta novamente pelo decote sem alça para dar um plus de feminilidade aos seus desenhos; e que se destaca por ser a alternativa mais funcional e vanguardista frente a propostas sobrecarregadas. É necessário o excesso de pedraria e detalhes para ser considerado alta costura?. Flores multicoloridas e confetes frente ao olhar cansativo do glamouroso Hollywood.

CHRISTIAN DIOR

CHRISTIAN DIOR

CHRISTIAN DIOR

CHRISTIAN DIOR

06. Elie Saab. Ao mais puro estilo Elie Saab, a maioria de vestidos longos até o chão, apresentavam silhuetas bem definidas e estavam cobertos de preciosos ornamentos. Elegância atemporal e intrincados bordados, marca a identidade do designer libanês, formam as requintadas propostas expostas. Rubi, safira, esmeralda e champanhe formam a paleta de majestosas cores formam essa proposta deslumbrante, digna dos melhores tapetes vermelhos.

ELIE SAAB

ELIE SAAB

ELIE SAAB

ELIE SAAB

7. Giambattista Valli. Com fragilidade e delicadeza, os etéreos desenhos apresentados por Giambattista Valli, inspirado nas porcelanas de Meissen Wedgwood, Capodimonte e Sévres, elogiaram a primavera e a feminilidade.
Drapeados, motivos florais, laços exagerados, texturas fascinantes, requintados detalhes e sutis transparências que passam em propostas marfins e pasteis para cobrir os desenhos com vibrantes cores como carmesim, o amarelo canário e profusas flores. Algumas flores bordadas ou aplicadas mostram a maestria dos artesãos por trás das criações. Para destacar os cocares metálicos e cintos usados pelas modelos que mostram um efeito enrugado singular e engenhoso.

GIAMBATTISTA VALLI

GIAMBATTISTA VALLI

8. Jean Paul Gaultier. Em contraste com o esperado de uma coleção de alta costura, o enfant terribe da moda aposta por uma proposta para mulheres decididamente perigosas inspiradas em: Poison Ivy, Mulher Gato e Mata Hari. Cortes trapézio ou arredondados, muito “animal print”, detalhes de inspiração oriental como os chapéus cônicos e muito brilho graças aos cristais de Swarovski definem uma proposta altamente ornamentada. Para destacar o uso de “animal print”, como estampado sofisticado é usado em meias, sapatos e bolsas.

JEAN PAUL GAULTIER

JEAN PAUL GAULTIER

JEAN PAUL GAULTIER

JEAN PAUL GAULTIER

JEAN PAUL GAULTIER

JEAN PAUL GAULTIER

9. Maison Martin Margiela. É sim de inesperadas coleções que a Alta Costura se trata, a Maison Martin Margiela vira protagonista com as propostas que compões jeans e camisetas brancas, perfeita base de intricados e complexos desenhos. Látex, flores coloridas 3D, “art nouveau”, rendas vibrantes e inspiração oriental deixa sem dúvida, uma surpreendente coleção. Um destaque para as inovadoras máscaras que usaram as modelos para acompanhar todas as propostas apresentadas.

MAISON MARTIN MARGIELA

MAISON MARTIN MARGIELA

MAISON MARTIN MARGIELA

MAISON MARTIN MARGIELA

10. Valentino. Para Valentino, tudo é questão de equilíbrio. Um equilíbrio regional capaz de combinar simples e modernas silhuetas com brocados, bordados e miçangas em tradicionais materiais como a cashmere e o veludo. Uma autêntica celebração do barroco em que o designer optou por linhas habituais em suas coleções de alta costura, bordadas ou estampadas com motivos de flores, pássaros e abelhas, enquanto os looks menos sofisticados foram executados em tecidos mais rudes e resistentes carentes de detalhes excessivos. Quanto a paleta de cores, destaque para o dourado e o preto, assim como os cinzas, marrons e beges com algumas pinceladas de vermelho intenso. Indiscutível aposta por silhuetas em forma de “ampulheta”.

VALENTINO

VALENTINO

VALENTINO

VALENTINO

11. Versace. As sedutoras “femme fatale” apresentadas por Versace se vestem com sofisticadas combinações de redes, renda chantilly e pele de crocodilo, para provocar com luxuosas transparências e silhuetas sereias. Umas silhuetas que vão desde calças apertadas e macacões a estruturados vestidos de festa carregados de ganchos metálicos e lantejoulas brilhantes e cristais Swarovski. Coleção que exala sensualidade com ousadas aberturas e cortes.

VERSACE

VERSACE

VERSACE

VERSACE

12. Zuhair Murad. Intitulado de “Bosque Encantado”, Zuhair Murad apresenta suas mágicas propostas exibidas por ninfas noturnas impregnadas de pedraria, art deco e geometria orgânica. Um repertório em que a variada e intensa paleta de cores foi a principal surpresa, composta por branco, nude, cinza perolado, ameixa, verde oliva, cobre e uma ampla gama de azuis, que tingem de magia seu enigmático bosque e correm em forma de raízes as silhuetas de suas modelos. Vestidos de festa longos ou de coquetel em que os acentuados decotes frontais deixam de ser destaque e os decotes nas costas são os notáveis protagonistas da vez. Destaque para os ombros realçados, cinturas femininas bem definidas e sensuais cortes “sereia”, decorados por uma multidão de lantejoulas brilhantes e cristais. Como material a destacar a renda Chantilly.

ZUHAIR MURAD

ZUHAIR MURAD

ZUHAIR MURAD

ZUHAIR MURAD